Por que em alguns relógios o número 4 romano aparece como IIII?

Existem perguntas que acompanham a humanidade quase como mistérios insolúveis. Um desses mistérios está presente na maioria dos relógios com algarismos romanos, desde séculos atrás até os dias de hoje: afinal, o uso correto é IIII ou IV?

Por que em alguns relógios utiliza-se o número IIII em vez de IV? A verdade é que ambas as formas, IIII e IV, são corretas e podem ser utilizadas em um relógio.

Existem diversas explicações para o uso clássico da forma IIII no lugar de IV e neste artigo você conhecerá algumas das teorias mais aceitas por historiadores e admiradores de relógios e obras de arte em geral. Confira!

Teoria histórica

Desde as mais remotas eras, o homem registra a contagem do tempo por meio de relógios, como colocado no artigo sobre a origem fascinante da contagem do tempo e criação das horas.

De acordo com a teoria histórica, o uso do algarismo IIII em relógios teve início com os romanos, antes mesmo da existência da grafia IV. A verdade é que o número 4 era inicialmente escrito no antigo método da adição, em que a quantidade era representada pela soma de 1+1+1+1.

Relógio Carrilhão de Mesa Bethnal

Só depois os romanos inventaram a grafia IV, em que a fórmula utiliza o algarismo que representa o 5 (V) como base para uma conta em que V – I = 4.

Mesmo depois que a grafia IV passou a ser utilizada, no entanto, os relógios antigos continuaram sendo representados com o símbolo original IIII e, ainda hoje, na maioria dos relógios utiliza-se esse símbolo no lugar do IV.

Aspecto estético

O aspecto estético é a explicação mais aceitável por especialistas para o uso do IIII nos relógios. Apesar de não existirem regras sobre o modo correto de representar o número 4 em relógios, podendo ser IIII ou IV, o conforto visual gerado pelo uso do IIII em relógios é evidente.

O relógio adquire um visual simétrico, no qual o uso dos algarismos I, V e X é dividido perfeitamente no início de cada hora do relógio.

Ou seja, você tem as primeiras quatro horas representadas pelo algarismo I (I, II, III e IIII), as próximas quatro representadas pelo algarismo V (V, VI, VII e VIII) e as quatro últimas representadas pelo algarismo X (IX, X, XI, XII).

relógio com número 4 romano aparece como IIII

Júpiter

Quando a forma IV passou a ser utilizada pelos romanos, por coincidência o número possuía uma grafia similar ao nome do deus Júpiter, escrito pelos antigos como IVPITER.

Especialistas afirmam que os romanos, então, preferiram usar o símbolo IIII no relógio de forma que não desrespeitassem o deus Júpiter.

Catolicismo

De acordo com esta outra teoria, a forma IV deixou de ser utilizado em relógios romanos cristãos para que as iniciais de um deus pagão não estivessem presentes em relógios de igrejas cristãs

Ficou surpreso com as explicações para o uso de IIII ou IV? Que tal compartilhar esse artigo com seus amigos e ajudá-los a desvendar também um dos maiores mistérios da relojoaria?

Veja mais cucos

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0

6 Comentários

  1. Fabio Barros Barretosays:

    Segundo amigos particulares da França, o IIII permaneceu para tecnicamente evitar confusão com o VI que vem logo depois do V – é uma idéia

    • Kukossays:

      Prezado Fabio,

      sim essa também é uma das teorias! Existem várias as histórias sobre no número 4, acredito que todas de alguma forma são validas.
      Uma ótima semana.
      Atenciosamente
      Família Kukos

  2. Maria Cristina Crispim Favorettosays:

    Estou amando segui-los no facebook, adorando ler os artigos,assim como adorei visitar a loja em Gramado no mês passado. Amo relógio cuco!

    • Kukossays:

      Prezada Maria,

      ficamos muito felizes em saber, muito obrigada pelo carinho. Estamos elaborando muitas novidades para o Natal.
      Uma ótima semana.
      Atenciosamente
      Família Kukos

  3. Rogériosays:

    Muito interessante, gostei bastante. Obrigado

    • Kukossays:

      Bom Dia Rogério,
      ficamos felizes em saber.
      Atenciosamente
      Família Kukos

Comentários estão desativados