Como funciona um relógio carrilhão?

Quem não carrega as boas lembranças da casa dos avós, recordando os sons, os cheiros, a mobília e todas as outras coisas que compunham o visual daquele local? Algo que é comum nesse tipo de ambiente e, consequentemente, em nossas recordações, é o imponente relógio carrilhão e seu ressoar característico.

Conheça mais sobre essa maravilha histórica em nosso post de hoje e aprenda alguns detalhes importantes sobre a sua manutenção!

O que é o relógio carrilhão?

O relógio carrilhão é uma verdadeira obra de arte de alto valor agregado, tendo sua mecânica minuciosamente pensada para além de informar as horas de maneira precisa e emitir um belíssimo som a cada hora ou intervalo, que pode ser de 15 ou 30 minutos.

Relógio Carrilhão Pedestal

Inventado por Christian Huygens e tendo sua primeira construção realizada por Salomon Coster em 1656, essa histórica peça foi inspirada pela pesquisa com pêndulos realizada pelo físico Galileu Galilei, juntamente com seu filho, no ano de 1600. Nessa época a precisão na marcação de horas a partir do movimento pendular já era impressionante, mas a consolidação do relógio carrilhão como um objeto preciso e funcional para residências, igrejas e demais locais, ocorreu no século XVIII, o que acabou por popularizá-lo não só por sua utilidade, mas também pela beleza de sua construção e do seu apreciado ressoar.

Como funciona?

O que determina a precisão do relógio carrilhão é a calibragem do peso do seu pêndulo, assim como do que chamamos de “fuga de energia”, determinada pelas engrenagens e roldanas presentes na construção da peça.

O que mantém a energia cinética do movimento do pêndulo para que ele vença a resistência do ar e continue na constante variação de exatamente um segundo por ciclo é a famosa “corda” que, em seu desenrolar extremamente preciso, mantém a alimentação do movimento, assim como a dos componentes que farão o relógio emitir seu característico som em um período pré-determinado.

De que forma mantenho o relógio carrilhão funcionando perfeitamente?

O relógio carrilhão, por ser um instrumento movido à energia 100% mecânica, requer alguns cuidados que apenas um profissional especializado conseguirá colocar em prática, como a calibragem dos seus componentes, por exemplo. Mas acertar seus ponteiros, assim como “dar corda”, é algo bem simples de ser feito e você mesmo poderá fazê-lo sempre que necessitar.

  • Normalmente, o relógio carrilhão é feito para funcionar por sete ou oito dias. Dessa forma, não se esqueça de “dar corda” a cada semana. Isso pode ser feito primeiramente identificando qual é o modelo do relógio, que geralmente é regulado por uma chave própria, acessando os orifícios presentes próximos aos números 3 (III) 6 (IV) e 9 (IX) e girando-a no sentido horário (ou anti-horário, dependendo do fabricante).
  • No caso dos relógios de corrente, basta acessá-las na parte inferior do mostrador e puxar cada uma delas até que os pesos estejam o mais próximos possíveis da parte superior do compartimento.
  • Acertar os ponteiros também não é nada complicado. Com o pêndulo parado, basta mover o ponteiro dos minutos, e apenas ele, sempre no sentido horário e configurar para o horário desejado. Se as melodias e badaladas do relógios estiverem ligadas, deve-se parar o ponteiro dos minutos de 15 em 15 minutos. Por exemplo: 11:15, primeira parte da melodia; 11:30, segunda parte da melodia; 11:45,  terceira parte da melodia e 12 horas toda a melodia mais as 12 badaladas. É preciso esperar para que o relógio toque parte das melodias e na hora cheia toda a melodia e o número de horas. Somente se a melodia e as badaladas estiverem desligadas, é possível passar o ponteiro direto. Importante ressaltar que você nunca deve girar o ponteiro das horas, mas sempre o ponteiro dos minutos.
  • Lembre-se de que todos esses movimentos devem ser feitos de forma bem suave, sem forçar nenhuma peça. Caso você encontre resistência em qualquer um dos procedimentos ou note que o relógio passou a se mover rápido demais ou mais lentamente após essas operações, procure um relojoeiro especialista.
  • Nos relógios carrilhões novos alguns deles vem com a opção de desligamento automático noturno, isso é o relógio desliga a sua melodia e badaladas as 21:45 e volta a tocar as 7:45. O relógio continua funcionando, porém de forma silenciosa para não atrapalhar o sono. 
  • Outra coisa sobre a limpeza da madeira do relógio, sempre usar somente um pano seco ou levemente umedecido para limpar a caixa do relógio, jamais passar lustra móveis ou óleo de peroba, pois as madeiras usadas para a fabricação dos relógios são bem secas e não aceitam estes produtos, ficando assim manchadas. 
  • A lubrificação do mecanismo varia em torno de 10 a 15 anos. Em regiões onde existam problemas com a maresia, a recomendação é que se faça o procedimento a cada a cada 10 anos.
  • Outra questão que deve ser lembrada é a importância de manter seu relógio carrilhão sempre devidamente nivelado. Para isso, utilize um nível d’água todas as vezes que precisar mexer na peça.
  • A Kukos possui uma rede de assistência técnica pelo Brasil que pode lhe auxiliar a manter o seu relógio funcionado e bem cuidado.

Veja mais Carrilhões

Ainda ficou alguma dúvida sobre como funciona ou sobre a manutenção dos relógios carrilhão? Ou até mesmo contar alguma experiência ou recordação relativa à essa verdadeira obra de arte? Então não deixe de participar da conversa nos comentários!

Saiba como surgiu o relógio cuco na Alemanha

Se você perguntar para a maioria das pessoas que possuem um relógio cuco pendurado em uma de suas paredes se sabem a história por trás daquela engrenagem, muitas dirão que não fazem ideia. O relógio de cuco é um artigo do passado, presente e futuro, ainda muito amado pelos filhos e netos. Em relação às suas origens obscuras, há duas fábulas principais. Para mergulhar neste maravilhoso mundo dos cucos e conhecer melhor estes incríveis relógios, continue lendo nosso post de hoje!

Curiosas histórias

O primeiro conto que temos notícia sobre a origem dos relógios cuco é a de Franz Steyrer, escrito em seu “Geschichte der Schwarzwälder Uhrmacherkunst“, de 1796. Ele descreve um encontro entre dois vendedores de relógio de Furtwangen (uma cidade na Floresta Negra), que vendia relógios cuco de madeira. Sua popularidade cresceu na região e mais e mais relojoeiros começaram a produzi-los.

 Relógio Cuco Alemão Clássico Mecanico Relógio Cuco Chalé alemão eletrônico  

A segunda história é relatada por outro sacerdote, Markus Fidelis Jack, em 1730, em que ele diz que um artesão, Franz Anton Ketterer, de Schönwald, uma cidade também da Floresta Negra, adornou um relógio com um pássaro em movimento.

Mas tudo isso parece não ser verdade. Este tipo de relógio é muito mais antigo do que os relógios da Floresta Negra. Ainda em 1650, o pássaro já era parte do conhecimento em livros de referência registrados em manuais. Dessa forma, demorou quase um século para o relógio de cuco encontrar o seu caminho para a Floresta Negra, onde por muitas décadas manteve-se como um produto de nicho pequeno.

Em 1862 o relojoeiro de renome, Johann Baptist Beha, começou a melhorar seus relógios Bahnhäusle ricamente decorados e esculpidos em forma de cones de abeto. Os relógios de cuco básico de hoje tornaram-se um símbolo da Floresta Negra, que é imediatamente compreendido em qualquer lugar do mundo.

Ainda atualmente é uma das lembranças favoritas de viajantes na Alemanha, Suíça e Áustria. O centro de produção continua a ser a região da Floresta Negra, na área de Schonach e Titisee-Neustadt.

Veja mais cucos

O estilo “Chalet”, a contribuição suíça

O estilo “Chalet” se originou no final do século XIX, na Suíça, época em que eles eram altamente valorizados como lembranças. Atualmente, existem três estilos básicos, em homenagem a diferentes casas tradicionais representadas: Chalé Floresta Negra, Chalé Suíço e o Chalé Bávara.

Juntamente com a ave que se projeta, os relógios cuco deste estilo também podem exibir outros tipos de figuras animadas tradicionais; exemplos incluem lenhadores, bebedores de cerveja e as rodas de água girando, etc. Alguns tradicionais relógios de cuco chalet dispõem de uma caixa de música.

Miniatura De Relógio Cuco Chalé Estilo Floresta Negra 

Design contemporâneo

Hoje em dia os relógios de cuco são fabricados inspirados em estilos decorativos contemporâneos. Rombach und Haas tornou-se o primeiro fabricante de relógio de Black Forest, que introduziu esta nova geração de relógios em 2006, produzindo um modelo concebido por Tobias Reischle. Em 2008 eles começaram suas próprias criações, graças à iniciativa de Conny Haas e gerente geral da empresa Ingolf Haas.

Relógio cuco no Brasil

A região brasileira em que mais houve propagação deste tipo de relógio foi no sul, pois a colonização alemã foi grande nesta área, o que gerou grande influência nos costumes e gostos.

Normalmente, a melodia soa somente em horas cheias em relógios de oito dias e tanto em horas cheias quanto em meias horas nos relógios de um dia. Os pesos são feitos de ferro fundido em forma de pinha e o som “cuco” é criado por dois tubos minúsculos no relógio, com foles unidos a seus topos. O movimento do relógio ativa o fole para enviar um sopro de ar em cada tubo alternadamente.

E aí? Gostou de conhecer mais sobre estes incríveis relógios que despertam a imaginação de todos? Você já sonhou em ter um cuco em casa? Acompanhe as novidades!

Como funciona um relógio cuco?

Originalmente feitos em uma região montanhosa da Alemanha por volta do século XVII, os relógios cuco eram fabricados dentro das casas dos moradores devido ao rigoroso frio que fazia na época. Neles, podemos notar sempre uma série de elementos que remetem à rotina da época, como caças, animais da região, lenha, serra, ordenha e outros mais.

Somente um século depois, ele ganhou o famoso som do cuco, por meio de um artesão local chamado Franz Anton Ketterer. A partir disso, atravessou gerações e sempre estão em nossas memórias graças aos nossos avós e bisavós, que certamente tinham um relógio cuco em casa.

Relógio carrilhão de parede alemão

Quer saber um pouco mais sobre esse relógio que encanta muita gente até hoje? Continue a leitura!

O balançar do pêndulo conta os segundos

A função do pêndulo em um relógio cuco é fazer com que os segundos sejam contados. Cada vez que ele faz o movimento de ir para frente e para trás, um segundo é contado e apresentado no painel do relógio. Os fabricantes dos relógios cuco fazem a calibragem do eixo para que um balanço seja exatamente igual a um segundo de tempo.

Engrenagens: pesos, polias e correntes

Para possa funcionar em seu mais perfeito estado, o relógio cuco possui uma grande quantidade de engrenagens que ajudam a movimentar os seus ponteiros. Em seu sistema sistema interno, os pesos são amarrados com correntes em torno das engrenagens e descem como polias por meio do balanço do pêndulo.

São os pesos que controlam todo o funcionamento interno do relógio cuco. Um peso fica responsável por controlar os ponteiros, outro faz o controle do carrilhão e um terceiro é destinado ao controle do pássaro cuco.

Badalo: é assim que o relógio emite o som de “cu-co”!

Não há som mais aguardado em um relógio cuco do que o “cu-co” que ele emite, não é verdade? Esse som não é eletrônico, e sim criado a partir de dois foles e apitos. Os foles servem para produzir vento e são preenchidos de ar ao serem levantados por meio dos cabos de tensão que estão ligados nas engrenagens do relógio cuco. Na hora de badalar, essas engrenagens liberam a tensão no fole, fazendo-os descer rapidamente. O ar, dessa forma, é levado aos dois apitos. Um emite o som de “cu” e o outro de “co” — é assim que o relógio faz “cu-co”.

Veja mais cucos

Olha o passarinho saindo do relógio!

Quando éramos crianças, sempre esperávamos as horas exatas para ver o passarinho sair de dentro do relógio e ouvir o seu som. Esse passarinho, que pode ser feito de plástico ou de madeira, fica apoiado em um suporte, o qual é articulado e está atrás das portas do relógio. Para que a saída do pássaro case com o som do relógio, o suporte dele também é ligado aos foles e apitos que emitem o som.

Quando chega a hora do badalo, o fio de tensão que prende a ave aos foles é liberado e ela sai em sincronia com o barulho do relógio. Na sequência, elas retornam trazendo o pássaro para dentro.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o funcionamento do relógio cuco, deixe seu comentário e conte para a gente quais são as lembranças que ele traz!