4 dicas de objetos de decoração para utilizar em sua sala de estar

De cômodo para receber as visitas até um ambiente de descanso, a sala de estar é o cartão de visitas de toda casa. Mas como criar uma composição que misture conforto e sofisticação sem perder sua identidade? A resposta é apostar em objetos de decoração que possuam não só um apelo estético diferenciado, mas que contem uma história.

Decorar é o ato de estender para a sua casa um pouco da sua própria essência através da combinação de móveis, acessórios e artigos decorativos. Para te ajudar nessa missão, separamos aqui 4 dicas de objetos de decoração que irão deixar sua sala de estar ainda mais distinta e elegante. Confira!

Quadros

Uma das representações mais clássicas de decoração, os quadros são objetos decorativos atemporais que podem ser encontrados em diversos motivos, desde os mais clássicos até os contemporâneos.

Na sala de estar, o quadro deve reforçar o estilo escolhido para o cômodo. Por exemplo, uma sala de estar clássica comporta quadros de campos floridos e representações humanas; salas contemporâneas se destacam mais com quadros abstratos e geométricos. Para garantir harmonia, o quadro deve ser proporcional à parede.

Relógio Cuco

Além de informar a hora, o relógio cuco tem uma outra função: a de valorizar e destacar a decoração da sala de estar. Com um design que remete às lembranças de casa de vó, possui grande valor por sua história e qualidade de produção. O relógio cuco combina com diversos tipos de estilos, inclusive com decorações modernas e clean, nas quais se destacam ainda mais.

Organizadores

Que tal optar por objetos de decoração que, além do apelo estético, ajudam na organização da sua sala de estar? Esse é o caso de revisteiros, porta-chaves, porta-joias e outros, que ajudam a compor a sala de forma elegante.

Os vasos também são grandes exemplos disso: eles podem ser utilizados sozinhos em cima de aparadores e mesas, ou como apoio para arranjos de flores e outras plantas. Você pode optar por aquele vaso herdado dos pais ou que tenha sido ganhado de presente de casamento para criar um novo visual cheio de significado para a sua sala de estar.

Abajures e lustres

A iluminação é um dos pontos principais na decoração da sala de estar. Além de garantir que o ambiente esteja devidamente iluminado para as atividades que acontecerão ali, contar com uma luminária elegante, abajures ou lustres certamente deixará o seu projeto luminotécnico ainda mais especial.

Imponente e distinto, o lustre pode ser o protagonista na composição da sala. Existem diversos modelos, de diferentes formatos e estilos, modernos e vintage, que podem ser utilizados para destacar ou reforçar a decoração do cômodo – basta escolher o que mais combina com você e com a sua casa.

Seja para o momento da leitura ou para deixar o ambiente com um ar mais intimista, os abajures também são elementos fundamentais no décor da sala de estar. Aliando beleza e funcionalidade, esse objeto versátil combina com qualquer estilo e pode destacar com elegância aquele seu cantinho preferido da sala!

Agora que você já está por dentro das maiores tendências de objetos de decoração para ornamentar sua sala de estar, que tal conferir mais novidades e promoções do mercado decorativo?

Nos nossos perfis do Facebook e Instagram, compartilhamos desde produtos que se diferenciam pelo seu design até peças exclusivas de edição limitada! Gostou? Então siga a Kukos nas redes sociais e não perca nenhuma novidade!

 

Qual seu estilo de decoração: retrô, clássico ou moderno?

Mais do que apenas um conjunto de objetos de alto apuro estético, decoração tem muito a ver com a personalidade de quem a compõe. Poder inserir em seu lar um pouco da sua essência, suas características e experiências pessoais é o que torna a decoração uma verdadeira arte, pronta para ser explorada por aqueles que não temem ousar.

Entre tantas opções para compor seu décor, os estilos retrô, clássico e moderno estão entre os mais escolhidos por quem deseja inserir personalidade na composição do lar. Confira a seguir as principais características de cada um desses estilos de decoração.

Abajures Tiffany

Estilo de decoração retrô

Esse estilo se baseia na utilização de peças que remetem ao passado – a famosa “cara de casa de vó” –, com muita história a ser contada. A decoração pode ser composta tanto por produtos vintage (peças originais da época) quanto por objetos retrô (peças modernas com releitura remetendo ao passado). Suas linhas são mais arredondadas e suas cores vão dos tons alegres e vibrantes aos pastéis coloridos. O décor retrô também comporta bem a inserção de elementos de outros estilos, tornando sua decoração democrática e abrangente.

Você pode apostar em mobília colorida, como cadeiras e mesa, para dar um up na sala de jantar, por exemplo. Móveis como buffets e aparadores ganham um toque retrô instantâneo ao apresentarem pés-palito, a cara desse estilo. Para quem curte manter o passado aceso, com suas histórias e lembranças, o estilo retrô é a solução perfeita.

Relógio Carrilhão Pedestal Majestic II

Estilo de decoração clássico

Um dos estilos mais atemporais de todos, o clássico é para quem preza por requinte e elegância. Guiada por uma paleta de cores neutras, a decoração clássica é regida por móveis imponentes e produzidos em madeira nobre, como a nogueira, a cerejeira e o mogno. Detalhes entalhados elevam o status da mobília, tornando-as estrelas principais de qualquer ambiente.

Para tornar o clássico digno de autenticidade, a madeira deve ser na tonalidade mais natural possível, o que insere dramaticidade à composição e pede por acabamentos têxteis de cores mais suaves, como a pérola e a cor marfim. Estofados em botonê e capitonê tornam-se peças valiosas de decoração e, devido à opulência do móvel com seu trabalhado, os objetos decorativos ganham pouco espaço neste estilo. Aposte em materiais certeiros como mármore, cristais e prata: além de exaltar o requinte do décor, sua elegância é inquestionável.

Relógio Cuco Alemão Clássico Eletronico 

Estilo de decoração moderno

Guiado por linhas puras e móveis funcionais, o décor moderno tem tudo a ver com perfis mais práticos. Minimalista em sua essência, esse estilo tem preferência por cores mais neutras, como preto e branco, e preza pela presença mínima de artigos decorativos, em contraponto com a ornamentação por vezes excessiva do estilo clássico.

É importante ressaltar o papel fundamental da qualidade e usabilidade de cada artigo que irá compor a decoração de estilo moderno: devido ao apelo minimalista, cada peça tem destaque absoluto; por isso, atente-se a acabamentos refinados e materiais com longa vida útil. Para aderir ao estilo sem erro, aposte em móveis, artigos e utensílios feitos em materiais como o vidro, o aço inoxidável e a madeira laqueada.

Abajur Tiffany

Conseguiu identificar o seu estilo? Então não deixe de ficar por dentro de todas as novidades sobre decoração e muito mais curtindo a nossa página no Facebook!

6 dicas de turismo em Gramado para aproveitar a cidade ao máximo

Gramado é uma das cidades mais adoráveis do Brasil. Com forte influência europeia, principalmente na arquitetura e gastronomia, a cidade é um dos principais destinos de inverno dos brasileiros. Mas engana-se quem acredita que a cidade só funciona durante o inverno! Atualmente, o turismo em Gramado é bem estruturado e oferece atrações para o ano todo.

Listamos aqui as melhores dicas para curtir Gramado, que está localizada a apenas 115 km de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Confira!

Conheça o Lago Negro

Esse é um dos passeios mais clássicos de Gramado. Bastante tranquilo, é ideal para quem deseja descansar, caminhar e contemplar uma bela paisagem. O Lago Negro foi construído artificialmente: a história local conta que um morador trouxe da Floresta Negra, na Alemanha, algumas árvores para serem plantadas em volta dele – daí se originou seu nome.

A principal atração desse destino é o passeio de pedalinho, muito procurado por famílias e casais. Além disso, entre os meses de novembro e janeiro é possível contemplar toda a beleza dos arbustos de hortênsias que estão nas redondezas do Lago Negro.

Dica: Cidades do Sul do Brasil para visitar nas festas de fim de ano

Prove delícias na Casa do Colono

Localizada na Praça das Etnias de Gramado, a Casa do Colono é uma parada obrigatória para quem visita a cidade. O local oferece produtos artesanais produzidos por 15 colônias alemãs e italianas da região: lá, o turista pode se deliciar com as geleias, sucos, queijos, biscoitos e muitos outros quitutes!

O destaque do local são os pães e as cucas. Aos finais de semana, as iguarias são assadas em um forno à lenha instalado ao lado da loja, permitindo que os visitantes acompanhem todo o processo – além de degustar tudo quentinho, é claro! Esse é um passeio no mínimo delicioso!

Visite a Rua Coberta

A Rua Coberta tem cerca de 100 metros de extensão e um belo telhado de vidro. No local, os visitantes encontram cafés, restaurantes, lojas entre muitos outros estabelecimentos. Além disso, costuma ocorrer diversos eventos, tais como, desfile de moda, exposição de orquídeas e apresentações natalinas.

Além de ganhar uma decoração muito especial, na época do Natal a Rua Coberta conta com a famosa Árvore Cantante, uma tradicional apresentação de corais de Gramado que deixam os turistas encantados!

Árvore de Natal - Pinheiro Nevado

Experimente a maravilhosa gastronomia

Ao decidir visitar Gramado, o melhor a fazer é deixar a dieta um pouquinho de lado e se render às delícias locais. Comece pelo café colonial: servido em diversos restaurantes e hotéis, essa refeição possui diversas opções de pães, bolos, biscoitos, entre muitas outras delícias. As sequências de fondues também fazem parte do roteiro gastronômico da cidade. É impossível ir embora sem ter experimentado o prato pelo menos uma vez, com destaque para o de queijo e o de chocolate.

E já que Gramado tem muitos descendentes de alemães, um dos restaurantes imperdíveis da cidade só poderia ter culinária germânica! O Fritz Haus é um dos mais conhecidos da cidade e oferece entre as diversas opções de pratos alemães, uma ótima oportunidade para provar diversas iguarias em uma só visita.

Aproveite o Natal Luz, tradição do Turismo em Gramado

O Natal Luz é um evento que inicia entre o final do mês de outubro e começo de novembro, indo até meados de janeiro. Durante esse período, a cidade fica iluminada, bem decorada com os elementos natalinos e há muitas atrações, como shows, apresentações, coral e a Vila do Papai Noel para a garotada tirar fotos com o bom velhinho. O Natal Luz é uma tradição do Turismo em Gramado que se renova anualmente e fica cada vez maior!

Visite a Igreja São Pedro

A igreja matriz de Gramado leva o nome do padroeiro da cidade, São Pedro. Trata-se de uma construção em pedra basáltica, com vitrais que foram pintados pelo artista alemão Pedro Dobmeier e apresentam passagens do Apóstolo Pedro ao lado de Jesus Cristo. Os belos efeitos de luz que trazem ao interior da igreja chamam a atenção dos visitantes. Esse é um local de grande beleza arquitetônica e muito visitado por turistas! 

Catedral da Natividade

Preparado para fazer turismo em Gramado? Quer ficar por dentro de outras dicas de viagens, promoções e muito mais? Assine nossa newsletter gratuitamente e acompanhe todas as novidades!

Tudo o que você precisa saber sobre abajures Tiffany

elegância está registrada nos abajures Tiffany, seja pela forma como são trabalhados, seja pelo modo como o abajur marcou a história da decoração com seu design inovador. Considerado, ainda hoje, um clássico da decoração, ele tem visual inspirado na estética do Art Noveau, estilo que reinou como favorito de 1890 até 1910.

Se você é um admirador dos abajures Tiffany, acompanhe esse artigo e saiba o que está por trás de sua origem, seus modelos e aprenda como identificar um abajur Tiffany original.

Abajur Tiffany Abajur Tiffany Abajur Tiffany 

Quando surgiram os abajures Tiffany?

A empresa Tiffany & Co. surgiu em meados de 1837, fruto da parceria entre Jonh B. e Charles Lewis. A empresa começou com um investimento apenas US$ 1 mil e pretendia se estabelecer como uma empresa que vendia artigos de luxo para casa. Apesar de seu histórico de sucesso ter surgido logo cedo, seguido pela transformação da empresa numa das maiores joalherias do mundo, o abajur Tiffany só apareceu no ano de 1895.

A antiguidade foi fruto do trabalho do designer norte-americano Louis Comfort Tiffany e despontou como sucesso imediato por seu visual luxuoso e único. Logo se transformou no principal produto da empresa e até hoje é um item decorativo delicado, que promove uma elegância singular.

Abajur Tiffany Abajur Tiffany Abajur Tiffany 

Como é feito um abajur Tiffany?

O aspecto do abajur soa familiar para quem já entrou numa igreja medieval, com seus grandes vitrais, e isso não é por acaso: o designer Comfort Tiffany trabalhou com técnicas utilizadas desde a Idade Média, produzindo manualmente a coloração do vidro e acrescentando qualidade e durabilidade na peça.

Conhecido como Favrile, e projetado com pedaços de um tipo especial de vidro fundido com óxidos metálicos, no abajur Tiffany ele ganha diversas tonalidades, formando um pequeno vitral no abajur.

Além disso, o processo de fabricação do abajur envolve técnicas nas quais são utilizadas fitas de cobre soldadas, que, junto ao pequeno vitral, formam uma peça de aspecto único.

A maioria dos modelos disponíveis possui uma base com pátina em tons de marrom e marrom esverdeado, dando ao item ainda mais opulência e presença na decoração.

Quais os modelos disponíveis?

Os abajures Tifanny estão disponíveis em 6 diferentes modelos trabalhados de maneira similar, com os efeitos vitrificados que tanto deram às peças a sua fama e charme.

Luminária Tiffany

Entre os modelos estão abajures para escrivaninha, de teto, de mesa, lustre, abajures de chão e também arandelas.

Apesar dos modelos diferentes, que podem ser instalados em ambientes completamente diversos, os abajures mantêm sua característica principal, promovendo a mesma elegância para qualquer cômodo.

Como identificar um abajur Tiffany?

É muito comum encontrar imitações de abajures Tiffany sendo vendidas como originais. Se você é um dos que está em dúvida se comprou, de fato, um abajur Tiffany original ou não, saiba que a maneira de solucionar esse mistério é rápida.

Afinal, os abajures Tiffany são todos trabalhados manualmente, e cada peça de vidro utilizada é única. Por ser um trabalho manual, essas peças de vidro possuem imperfeições aparentes, que fazem parte da marca do abajur e tornam cada um deles um item exclusivo.

Abajures Tifanny

Além disso, observe também os desenhos dos vitrais. Um legítimo abajur Tiffany é trabalhado principalmente com estampas florais e temas como árvores, insetos e pássaros.

E aí, o que achou do artigo? Pronto para adquirir esse clássico da decoração? Assine a nossa newsletter e receba mais artigos como esse direto no seu e-mail!

Conheça mais sobre as tradições trazidas pelos imigrantes alemães

Com mais de 192 anos de presença alemã no sul do Brasil, os imigrantes alemães contribuíram com diversos elementos culturais para a região. Hoje, pessoas de todo o país visitam a região para conhecer de perto essa herança cultural que engloba costumes, música, arquitetura, decoração e festividades.

Relógio Cuco Alemão Chalé Mecanico

Você conhece esse legado tão importante deixado pelos imigrantes alemães? Confira aqui algumas tradições!

As histórias dos Irmãos Grimm

Quem nunca ouviu a história da Cinderela, da Branca de Neve, Chapeuzinho Vermelho ou da Princesa e o Sapo? As histórias que fizeram parte da nossa infância e se transformaram em desenhos, filmes e livros, se popularizando pelos quatro cantos do mundo, tiveram origem na Alemanha com os escritores Jacob e Wilhelm Grimm. Conhecidos como os Irmãos Grimm, eles foram os criadores e também coletores de contos e fábulas locais. E com a imigração dos alemães pelo mundo, inclusive para o Brasil, tivemos acesso a essa incrível bagagem cultural e literária dos dois autores.

Cinderela Com Jaq E Tatá  Branca De Neve Com Passarinho 

A popular Oktoberfest

Originalmente celebrada em Munique, a Oktoberfest é um dos legados mais fortes da presença germânica no sul do país. E engana-se quem pensa que o festival é apenas sobre cerveja. Gastronomia e música andam lado a lado nas comemorações que ocorrem em Blumenau (SC), Igrejinha (RS) e Londrina (PR) entre outras cidades da região. Uma festa que comemora a cultura do povo alemão e oferece um clima acolhedor para toda a família. Quem já participou do evento não pensa duas vezes e garante: é a melhor festa do mundo!

Mickey Na Alemanha

 

Técnica de Pintura Bauer

Além das celebrações e dos contos, os imigrantes alemães nos trouxeram outra grande tradição germânica: a pintura alemã Bauernmalerei (ou apenas Bauer). A técnica de pintura camponesa foi inventada pelos agricultores que buscavam dar cor aos seu móveis velhos, renovando-os com detalhes decorativos. Ela é usada em madeiras, aplicando a pintura com o uso de um estêncil, por meio do qual se faz o desenho.

Miniatura Com Pinturas Em Estilo Bauer

Algodão que imita neve

Que o Natal é celebrado durante o inverno europeu no hemisfério norte, isso todo mundo já sabe, não é mesmo? Os alemães estão acostumados com o ápice das baixas temperaturas e, claro, com a presença da neve. Mas, com a imigração para o Brasil isso mudou. E para dar um toque na celebração dessa data especial, eles improvisaram no principal símbolo natalino: a árvore de Natal, colocando algodão nos pinheiros para imitar a neve.

Árvore De Natal Pinheiro Alemão 150cm

Imigrantes alemães e a polonese

Não podemos falar de celebração, festas e diversão sem citar a polonese que está presente em eventos como a Oktoberfest, por exemplo. Nas cidades do sul onde houve um grande fluxo de imigrantes alemães a dança foi incorporada aos costumes locais e preservada até hoje. Relativamente lenta, a polonese costuma abrir bailes. É comum ser tocada uma valsa para sinalizar o início da festa.

Banner cucos

Gostou da nossa lista de tradições trazidas pelos imigrantes alemães? Com a influência alemã no sul do país, a mistura de culturas resultou em um legado que engloba culinária, música, pintura, eventos e muito mais. Você conhece outras vertentes dessa herança? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais e mostre aos amigos o que você aprecia!

 

Por que em alguns relógios o número 4 romano aparece como IIII?

Existem perguntas que acompanham a humanidade quase como mistérios insolúveis. Um desses mistérios está presente na maioria dos relógios com algarismos romanos, desde séculos atrás até os dias de hoje: afinal, o uso correto é IIII ou IV?

Por que em alguns relógios utiliza-se o número IIII em vez de IV? A verdade é que ambas as formas, IIII e IV, são corretas e podem ser utilizadas em um relógio.

Existem diversas explicações para o uso clássico da forma IIII no lugar de IV e neste artigo você conhecerá algumas das teorias mais aceitas por historiadores e admiradores de relógios e obras de arte em geral. Confira!

Teoria histórica

Desde as mais remotas eras, o homem registra a contagem do tempo por meio de relógios, como colocado no artigo sobre a origem fascinante da contagem do tempo e criação das horas.

De acordo com a teoria histórica, o uso do algarismo IIII em relógios teve início com os romanos, antes mesmo da existência da grafia IV. A verdade é que o número 4 era inicialmente escrito no antigo método da adição, em que a quantidade era representada pela soma de 1+1+1+1.

Relógio Carrilhão de Mesa Bethnal

Só depois os romanos inventaram a grafia IV, em que a fórmula utiliza o algarismo que representa o 5 (V) como base para uma conta em que V – I = 4.

Mesmo depois que a grafia IV passou a ser utilizada, no entanto, os relógios antigos continuaram sendo representados com o símbolo original IIII e, ainda hoje, na maioria dos relógios utiliza-se esse símbolo no lugar do IV.

Aspecto estético

O aspecto estético é a explicação mais aceitável por especialistas para o uso do IIII nos relógios. Apesar de não existirem regras sobre o modo correto de representar o número 4 em relógios, podendo ser IIII ou IV, o conforto visual gerado pelo uso do IIII em relógios é evidente.

O relógio adquire um visual simétrico, no qual o uso dos algarismos I, V e X é dividido perfeitamente no início de cada hora do relógio.

Ou seja, você tem as primeiras quatro horas representadas pelo algarismo I (I, II, III e IIII), as próximas quatro representadas pelo algarismo V (V, VI, VII e VIII) e as quatro últimas representadas pelo algarismo X (IX, X, XI, XII).

relógio com número 4 romano aparece como IIII

Júpiter

Quando a forma IV passou a ser utilizada pelos romanos, por coincidência o número possuía uma grafia similar ao nome do deus Júpiter, escrito pelos antigos como IVPITER.

Especialistas afirmam que os romanos, então, preferiram usar o símbolo IIII no relógio de forma que não desrespeitassem o deus Júpiter.

Catolicismo

De acordo com esta outra teoria, a forma IV deixou de ser utilizado em relógios romanos cristãos para que as iniciais de um deus pagão não estivessem presentes em relógios de igrejas cristãs

Ficou surpreso com as explicações para o uso de IIII ou IV? Que tal compartilhar esse artigo com seus amigos e ajudá-los a desvendar também um dos maiores mistérios da relojoaria?

Veja mais cucos

Conheça o estilo de pintura bauernmalerei dos relógios cucos

Os relógios cucos são reconhecidos, principalmente no Brasil, por seu valor histórico e artístico. Assim como a clássica pintura bauernmalerei, de origem alemã, que costuma adornar esses relógios e outros tipos de utensílios valiosos, os cucos também têm uma história interessante.

Famosa por retratar elementos da natureza e arabescos barrocos, esse estilo de pintura retrata principalmente flores, como rosas, tulipas, miosótis, margaridas, entre outras plantas europeias. Como se fosse uma escrita, a pintura bauernmalerei tem um significado para cada motivo retratado, previamente determinado.

Qual é a história da pintura bauernmalerei?

Surgida na Alemanha e muito difundida em seu país, esse estilo de pintura foi criado por camponeses que, no período pós-guerra medieval, buscavam imitar os nobres. Ao observarem que as pessoas de posses pintavam e reformavam seus castelos, pela contratação de artistas renomados, os pobres, por não terem como contratar esses mesmos pintores, inovavam ao pintarem e decorarem as suas casas inspirados naquilo que viam.

Por isso, eles retratavam flores, pássaros, frutas e figuras humanas em suas janelas, portas e móveis em geral, agregando valor estético e artístico em suas residências simples de madeira.

Como ela é feita?

Em geral, ela é feita em peças de madeira, mas pode ser aplicada em outros materiais. São utilizadas, para isso, tintas acrílicas foscas e a peça costuma ser encerada, nem sempre envernizada. Os pincéis usados são redondos, com uma mescla de tons de tinta aplicadas nele, geralmente dois tons de cada vez.

A autêntica pintura bauernmalerei é feita com uma única e sutil pincelada por vez, sem que o traço seja refeito e, costumeiramente, em forma de uma vírgula, ou seja, semicircular. As cores usadas são mais vivas, sem muitas misturas, como o verde, o azul, o ocre e o bordô.

Quais as aplicações do estilo?

Mais usada em peças artesanais ou em partes da casa, como paredes, vasos, cachepôs, soleiras de portas e janelas, armários antigos e rústicos, essa técnica valoriza bastante a superfície em que é aplicada, independentemente da idade ou do valor da peça.

No caso dos relógios cucos, que também têm origem alemã, a pintura bauernmalerei torna esse objeto ainda mais valioso, constituindo uma obra de arte. Bastante reconhecido pelo seu valor estético e histórico, os relógios cucos unem a sua história e valor com a autêntica pintura camponesa, também rara de ser encontrada por nossas terras.

Diante dessa história, é interessante destacar que, apesar de ter surgido na Idade Média, a pintura bauernmalerei também pode ter traços do Barroco, surgido posteriormente. Logo, a técnica, apesar de única, veio acrescentando traços a seu estilo com o passar dos anos.

Quando é aplicada ao relógio cuco, traz mais beleza, sofisticação e historicidade ao objeto, ampliando o seu reconhecimento como uma obra de arte. Esse estilo de pintura autêntico aliado a um bom relógio cuco é um artigo raro de ser encontrado no Brasil. No entanto, existem lojas especializadas que oferecem esses itens com ótima qualidade e idoneidade.

Gostou de saber a história da pintura bauernmalerei? Quer saber agora a história do relógio cuco na Alemanha? Então, clique aqui e aprenda mais!

Relógio de pêndulo: como funciona?

Quando o assunto gira em torno de relógios clássicos e elegantes, é impossível não se lembrar dos relógios de pêndulos. Geralmente presentes em casas de avós e antiquários, costumam ser objetos renomados, com grande valor estético e histórico, evocando boas memórias a quem o possui por longa data.

No entanto, além de bonitos e valiosos, os relógios de pêndulo são reconhecidos por seu ruído característico, um “tic tac” bem forte e claro. Mas você sabe como ele se forma no interior do artefato? E como funciona esse tipo de relógio?

Relógio Carrilhão Pedestal Arendal

Neste post você conhecer um pouco mais sobre ele e vai encontrar as respostas para as perguntas acima. Confira!

Quem inventou o relógio de pêndulo

Galileu Galilei foi o primeiro a observar o movimento do pêndulo, quando notou como os candelabros suspensos da Catedral de Pisa oscilavam de um modo regular, em um mesmo período de tempo, mesmo que a amplitude de oscilação fosse diferente. Chegou mesmo a fazer alguns relógios utilizando esse sistema. Entretanto, o relógio de pêndulo foi patenteado pelo holandês Christian Huygens, que o aperfeiçoou em 1656.

Relógio Carrilhão De Mesa Cleo

O pêndulo do relógio

O que chamamos de pêndulo nada mais é do que um objeto maciço acoplado a uma haste bem mais leve do que ele. O movimento do conjunto é determinado pela força da gravidade pelo comprimento da haste, que é responsável pelo tempo de oscilações completas do sistema. Denomina-se de “período do movimento” o tempo necessário para que o pêndulo realize uma oscilação completa em um determinado período de tempo, que também sofre influência do comprimento da haste.

banner carrilhão

Função do peso

O peso fornece energia para que o relógio funcione por um preciso período de tempo. Quando ele sobe, armazena energia potencial gravitacional que, à medida em que ele desce, é convertida em energia cinética, responsável pelo funcionamento do relógio. Para controlar essa descida, existe o sistema de escape, composto pela roda de escape e pela âncora. Enquanto a âncora libera e trava o movimento da roda de escape, esta última faz com que o peso desça na marcha controlada pela âncora. O contato constante das duas produz o famoso e característico ruído de “tic tacdos relógios de pêndulo.

Relógio Carrilhão De Parede Coastal Point

Tipos de engrenagens

As engrenagens são responsáveis pelos movimentos dos ponteiros dos relógios. Quando estão unidas pelo mesmo eixo, possuem a mesma velocidade angular, no entanto, a velocidade linear de cada uma é diferente. Quando elas estão acopladas, engrenagens de tamanhos diferentes estão em contato, logo, a velocidade linear é igual e a velocidade angular é diferente.

Os relógios de pêndulo, além de valiosos, são reconhecidos como obras de arte por todo o seu conjunto. Seu interior tem tanto valor quanto seu exterior, e são muito apreciados, não apenas por colecionadores; assim, é importante conhecer suas características e entender como esses relógios funcionam.

banner carrilhão

Gostou de saber como funciona o relógio de pêndulo? Tem alguma dúvida a respeito do assunto? Comente no post e nos diga o que achou do conteúdo!

Relógios Cuco no Brasil, Gramado e Nova Petrópolis

Relógios Cuco, a história da Kukos

Dizem que quem volta de uma viagem sempre volta diferente. Foi assim que começou a história da Kukos com Ingrid Deppe, responsável pela marca que é referência em relógios cuco em Nova Petrópolis, Gramado, no sul e no Brasil. Após um período de dez anos vivendo na Floresta Negra, sul da Alemanha, trouxe junto de sua bagagem a ideia de oferecer esses produtos para os Brasileiros, começando por sua cidade.

Relógios em Nova Petrópolis

Dessa experiência nasceu a Kukos Nova Petrópolis, um lugar no qual as pessoas podem apreciar e comprar relógios cuco, carrilhões e pedestais. Além disso, ainda há itens decorativos e artigos de presentes como caixas de música, quebra nozes, figuras do designer Jim Shore, bonecas de porcelana, cristais Bohemia, entre muitos outros.

 

Av. 15 de Novembro, 601, centro de Nova Petrópolis no Rio Grande do Sul. 

Com funcionamento totalmente mecânico, os relógios cuco oferecidos pela loja são todos importados do sul da Alemanha, garantindo assim sua autenticidade e durabilidade, que gira em torno de quatro gerações. Eles são peças artesanais, sendo cada um diferente do outro, não havendo duas peças iguais no mundo.

Relógios em Gramado


Av. Borges de Medeiros, 2123 Loja 2 e 3, Centro de Gramado no Rio Grande do Sul. 

Poucos anos após a abertura da matriz, foi inaugurada a Kukos Gramado, que além dos relógios cuco, oferece a mesma variedade de produtos. Em pouco tempo a marca se tornou referência no Brasil quando o assunto são relógios cuco, não há outra que ofereça tantas opções disponíveis para pronta entrega no Brasil.

Tradição em Relógios

 

Gostou de conhecer mais sobre a nossa história? Compartilhe nos comentários!

Entenda a origem fascinante da Contagem do Tempo

Desde que o homem notou pela primeira vez o movimento regular do Sol e das estrelas, começou a se perguntar sobre a passagem do tempo. A população pré-histórica registrou as fases da Lua, pela primeira vez, cerca de 30 mil anos atrás.

Desde então, a contagem do tempo tem sido a maneira pela qual a humanidade tem observado os céus e representado o progresso da civilização.

Eventos naturais

Os primeiros eventos naturais a serem reconhecidos aconteciam nos céus, mas, durante o curso de um ano, muitos outros eventos climáticos indicam alterações significativas no ambiente. 

Ventos e chuvas sazonais, inundações de rios, florescimento de árvores e plantas, e os ciclos de reprodução ou migração de animais e aves, tudo isso levou a divisões naturais do ano, que culminaram com o reconhecimento das estações. 

Contagem do tempo pelo Sol

Conforme o Sol se move no céu, as sombras mudam de direção e comprimento, de modo que um simples relógio de sol pode medir a duração de um dia. Assim, não foi difícil perceber que a duração de cada dia dependia da época do ano.

Primeira divisão do dia em partes

O povo egípcio foi um dos primeiros a usar relógios de sol para marcar os dias, e, graças a evidências arqueológicas, os historiadores acreditam que essa tenha sido a primeira civilização a dividir o dia em partes menores.

Por volta de 1500 a.C., os egípcios desenvolveram um relógio de sol em forma de “T”, colocado no solo e calibrado para dividir o intervalo entre o nascer e o pôr do sol em 12 partes, com base no número de ciclos lunar. Essa divisão durante o dia formou a primeira representação do que chamamos de “hora”.

Sem luz artificial para contar as horas durante a escuridão, os egípcios recorreram a um conjunto de 24 estrelas, das quais 12 marcavam a passagem da noite.

O relógio de água (clepsidra) é um antigo instrumento constituído por dois cones que se comunicam pelo ápice (sendo um deles cheio de água) e que era usado para medir o tempo com base na velocidade de escoamento da água do cone superior para o inferior. 

60 minutos

Foi só entre 147-127 a.C. que surgiu a divisão do dia em 24 horas com base na observação dos dias de equinócio. Antes, porém, por volta de 2000 a.C., os babilônios desenvolveram um sistema de cálculo astronômico baseado no número 60. Mas a segmentação em 60 minutos, cada um com 60 segundos, ocorreu também no século II a.C., com os estudos do astrônomo grego Eratóstenes.

Mesmo assim, por muito tempo, os relógios dividiam as horas em metades, terços ou quartos, nunca em 60 minutos, até ser inventado o primeiro relógio mecânico, no final do século XVI.

Tempo universal coordenado

Graças às civilizações antigas, que definiram e preservaram as divisões do tempo, a sociedade moderna pode conceber um dia de 24 horas, uma hora de 60 minutos e um minuto de 60 segundos. 

Os segundos já foram derivados da divisão de eventos astronômicos em partes menores, mas isso mudou em 1967. Naquele ano, o segundo foi redefinido como a duração de 9.192.631.770 períodos da radiação decorrente das transições de energia do átomo de césio. Essa caracterização inaugurou a atual era da cronometragem atômica e o UTC (tempo universal coordenado).

Conhece outra história sobre a contagem do tempo e o surgimento do relógio? Compartilhe nos comentários!